Como fazer o atendimento psicológico remoto?

Como fazer o atendimento psicológico remoto?

Está pensando em oferecer atendimentos psicológicos de forma remota, mas não sabe ao certo por onde começar?

Neste conteúdo vamos falar sobre as informações de práticas recomendadas aos profissionais qualificados para fornecer serviços de psicologia à distância.

Sendo assim, a seguir, trataremos sobre questões que precisam ser consideradas em relação aos pacientes, a prática clínica e sobre o que é necessário para fornecer o atendimento psicológico remoto.

Quer saber mais sobre como fazer o atendimento psicológico remoto?
Então confira o conteúdo que preparamos sobre o tema!

Privacidade e segurança dos pacientes durante o atendimento psicológico remoto

Privacidade e segurança dos pacientes durante o atendimento psicológico remoto

Todos os prestadores de serviços psicológicos são responsável por evitar invasão indevida de privacidade na coleta de informações de pacientes e salvaguardar a confidencialidade das informações que são obtidas durante o fornecimento de um serviço psicológico.

Ao entregar serviços via telessaúde, existem questões específicas que exigem consideração relativa ao uso de tecnologia e requisitos de jurisdição.

Entenda o que é aplicável sobre os requisitos legais

Todos os psicólogos estão sujeitos à Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais que estabelecida em relação à coleta, armazenamento e disseminação de informações pessoais do paciente.

O princípio de privacidade diz respeito à segurança de informações sensíveis e o requisito sobre tomar medidas razoáveis para proteger informações pessoais.

A seguir falaremos sobre questões relevantes para que você possa entender que medidas razoáveis ​pode precisar tomar para garantir a segurança das informações pessoais dos pacientes.

Em relação à telessaúde, os profissionais precisarão dar passos razoáveis ​​para proteger as informações que estão em o ambiente eletrônico.

Neste ambiente, os psicólogos precisam considerar a proteção contra uma potencial interferência ou violação de privacidade se um sessão de atendimento remoto é hackeada ou se uma sessão gravada é perdida ou roubada. Por isso, é fundamental estabelecer princípios para segurança extra.

Profissionais que oferecem serviços psicológicos para os pacientes internacionais também devem aderir às leis de privacidade que se aplicam na jurisdição onde o serviço está sendo recebido.

Em resumo, antes de fornecer um atendimento psicológico remoto, os psicólogos devem garantir que têm uma compreensão sobre as leis de privacidade e outras leis requisitadas que diferem entre as jurisdições em que prestam serviços aos pacientes. Por isso, pode ser necessário buscar orientação jurídica para esclarecer quaisquer responsabilidades entre jurisdições.

Mantenha as informações eletrônicas seguras

Em um serviço de atendimento psicológico remoto, o fluxo de informações entre o psicólogo e o paciente acontecerá na forma de comunicações eletrónicas.

De acordo à Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, os profissionais devem tomar medidas razoáveis ​​para proteger informações pessoais de uso indevido, interferência e perda, bem como acesso não autorizado, modificação ou divulgação.

Os psicólogos também devem estar cientes de que os clientes precisarão ser informados sobre privacidade e questões de segurança associadas a comunicação eletrônica e isso deve se tornar parte do processo de consentimento informado.

A seguir estão algumas etapas sugeridas que podem ser levadas em consideração para proteger informações mantidas eletronicamente:

1. Implemente medidas de segurança para proteger informações pessoais mantidas eletronicamente

Alguns exemplos sobre estratégias de segurança cibernética incluem:

  • Mantenha o software de segurança atualizado, ou seja, software para firewalls, detecção de intrusão, programas de antivírus e, principalmente, criptografia;
  • Aloque permissões específicas para o caso de acessos da equipe a informações pessoais mantidas eletronicamente;
  • Mantenha os backups externos;
  • Evite conectar-se a um wi-fi disponível gratuitamente se o computador ou dispositivo – por exemplo, smartphone ou tablet- contém informações confidenciais, visto que essas redes são vulneráveis ​​à interceptação;
  • Exija verificação automática de vírus em todos USBs tentando se conectar ao seu computador;
  • Use dispositivos separados – por exemplo, smartphones ou tablets – para os atendimentos e uso pessoal;
  • Criptografe dados pessoais, principalmente se estiver usando um dispositivo portátil! Existem hoje softwares para telessaúde com aplicativos de criptografia de dados disponíveis;
  • Considere medidas para proteger o acesso às informações, como autenticação de dois fatores e impondo alterações de senha frequentes para todos os usuários – caso trabalhe com uma equipe.

2. Se envolva com as tecnologias da informação

Para muitos profissionais, o atendimento psicológico remoto será um novo método de prestação de serviços psicológicos.

Os psicólogos precisam entender os limites de seus conhecimentos técnicos e abordar esses limites antes da prestação de serviços. Isso é importante para a segurança e a privacidade e também para garantir a qualidade e entrega segura do serviço psicológico.

E se você precisa de aconselhamento técnico adicional, considere obter orientação especializada para garantir a proteção dos pacientes em relação aos problemas de privacidade que podem surgir enquanto entrega de serviços de videoconferência e também para segurança e proteção de dados sensíveis.

Especialistas em tecnologia poderiam fornecer orientação sobre como configurar proteções apropriadas de segurança para computadores e conduzir uma revisão e atualização anual da segurança de dados, onde necessário.

Se os psicólogos contratam um consultor, eles devem tomar medidas para limitar ou minimizar o acesso do consultor às informações privadas, como criptografar arquivos confidenciais e exigir um contrato de não divulgação.

3. Ensine os pacientes sobre como proteger sua própria privacidade

Os pacientes têm vários níveis diferentes de conhecimentos e habilidades e é importante que os psicólogos avaliam o entendimento do paciente sobre como usar software de videoconferência e também se eles são capazes de se proteger contra acesso não autorizado às suas informações privadas.

Os psicólogos também precisam garantir que os pacientes entendam seu papel na proteção de suas próprias informações quando estão usando a tecnologia. Por exemplo, os pacientes podem precisar de suporte e informações sobre medidas de privacidade, como acesso ao serviço de uma sala privada, sobre o uso de um endereço particular ao invés de um endereço de e-mail comercial, entre outras informações. Assim, estarão protegendo também qualquer informação psicológica contida em formato digital.

Como dissemos, para alguns pacientes, pode ser útil orientá-los à informações sobre como eles podem proteger sua própria privacidade ao usar a tecnologia. Você pode referir o paciente a recursos existentes de segurança cibernética.

Esses recursos irão educar os pacientes sobre como eles podem proteger sua privacidade online e oferecem maneiras práticas de melhorar a segurança online deles.

Adequação do paciente para o atendimento psicológico remoto

Nem todas as pessoas serão adequadas para receber um atendimento psicológico por meio da telessaúde. Existem vários fatores a serem considerados pelos profissionais no momento de avaliar a adequação de um paciente para receber um serviço via videoconferência. Esses incluem:

  • Capacidade de acessar tecnologia
  • Forma, frequência e grau de sintomatologia
  • Extensão da perturbação da crise psicológica
  • Barreiras para acessar o serviço
  • Qualidade dos suportes
  • Risco de ferir a si mesmo ou aos outros

Esses aspectos do problema apresentado pelo paciente são fatores para avaliar e considerar, mas eles não excluem necessariamente o uso de telessaúde.

Os psicólogos também devem considerar as consequências para os pacientes caso eles optem por não fornecer o serviço de telessaúde.

Em algumas situações, pode haver nenhum outro profissional como alternativa para oferecer o serviço psicológico que não pode ser entregue remotamente.

Em tais situações, também é uma boa prática envolver-se em consultas com um especialista adequado para revisar a adequação do paciente e considerar a disponibilidade opções.

Os psicólogos também devem revisar a adequação do paciente ao longo do tempo. Se a apresentação do paciente mudar ou as circunstâncias mudam, eles podem não ser mais um candidatos adequados para telessaúde.

Os profissionais ainda precisarão avaliar se o atendimento remoto é uma opção considerando estado clínico do paciente.

Os fatores a serem avaliados ao considerar a adequação para um serviço de atendimento psicológico remoto, incluem:

1. Acessibilidade

Psicólogos que desejam atender remotamente precisam considerar as potenciais barreiras à prestação de serviços eficaz. Por exemplo, a capacidade do paciente de acessar serviços pode ser impactada por aspectos técnicos, como se o paciente possui o hardware ou dispositivos necessários, uma conexão de internet confiável e habilidades técnicas.

Isso também pode significar considerar se o custo financeiro para o paciente acessar um serviço de atendimento psicológico remoto é proibitivo.

2. Sintomatologia

Podem haver apresentações específicas para pacientes em que o psicólogo os consideram inadequados para um atendimento psicológico via videoconferência. Isso pode incluir pacientes que apresentam sintomas que tornam improvável que eles sejam capazes de se comprometer a um serviço regular baseado em tecnologia.

Por exemplo, alguns tipos de serviços de tratamento de psicologia, como as intervenções comportamentais podem exigir que o paciente compareça a um atendimento face a face.

Um paciente que apresenta uma importante perturbação psicológica ou está em crise também pode não ser adequado para telessaúde.

3. Risco de danos a si mesmo ou aos outros

Uma questão importante que precisa ser considerada quando for avaliar a adequação de um paciente para telessaúde é o presença de risco significativo de dano ao paciente ou para outras pessoas.

O acesso padrão ao serviço psicológico é prestado face a face e o psicólogo é, portanto, capaz de responder a qualquer preocupação sobre o risco do paciente ferir a si mesmo e ou outros quando está presente.  Enquanto em um serviço de telessaúde, o paciente pode estar a centenas de quilômetros de distância do psicólogo ou sua localização real pode ser desconhecida.

Isso significa que o psicólogo precisará fazer uma consideração cuidadosa à sua capacidade de fornecer um serviço seguro se o paciente apresentar um risco significativo de ferir a si mesmo, por exemplo, ideação de suicídio, ou potencial para causar danos a terceiros.

Considerações sobre a prática clínica para o atendimento psicológico remoto

Considerações sobre a prática clínica para o atendimento psicológico remoto

A relação terapêutica sustenta todos serviços psicológicos e, por isso, considerações devem ser feitas para estabelecer esta aliança no contexto da comunicação à distância.

Na maioria casos, desenvolver uma relação terapêutica em um serviço de atendimento psicológico remoto é comparável à entrega face a face, especialmente quando o profissional é ciente sobre quais ajustes ele pode fazer para facilitar a conexão com o paciente.

Profissionais que prestam serviços psicológicos podem melhorar a capacidade de um tratamento considerando os seguintes ajustes à sua prática ao entregar um serviço de atendimento remoto:

1. Esteja ciente da eficácia dos serviços de atendimento psicológico remoto

Como dissemos anteriormente, pesquisas apontam que a qualidade do relação terapêutica usando a telessaúde é comparável à face a face.

No entanto, também há algumas evidências sugerindo que os psicólogos podem ter a crença de que a terapia conduzida via telessaúde é menos eficaz do que a terapia face a face e tais crenças podem impactar a relação terapêutica.

Os psicólogos podem aumentar ativamente sua consciência sobre a eficácia da telessaúde como forma de prestação de serviços psicológicos engajando-se no desenvolvimento profissional.

2. Faça ajustes na forma de demonstrar empatia

Um fator determinante de uma relação terapêutica é o nível de empatia exibido pelo psicólogo.

A empatia pode prever os resultados, independentemente da modalidade, modo de entrega, formato de tratamento e gravidade dos pacientes que apresentam o problema.

Fazer ajustes na forma como a empatia é transmitida pode compensar fatores como som atrasado, contato visual reduzido, ou seja, olhando para a tela em vez da câmera, e a capacidade de responder de uma maneira física, por exemplo, entregando ao paciente uma caixa de lenços. Os ajustes podem incluir:

Enfatize gestos verbais e não verbais

Pesquisas sugerem que desenvolver um relacionamento com o paciente ao prestar serviços psicológicos via teleconferência exige que os psicólogos alterem seu estilo de comunicação.

Teleconferência geralmente limita a quantidade de palavras não-verbais e informações trocadas entre o psicólogo e o paciente. Como resultado, os psicólogos precisarão enfatizar tanto os gestos verbais – como expressões de consideração positiva incondicional, aceitação e cuidar- quanto os gestos não verbais para facilitar construção de relacionamento.

Habilidades que podem precisar ser usadas mais frequentemente incluem escuta ativa, revezamento, parafraseando, usando frases mais curtas, também desacelerar a interação e dar mais atenção aos sinais sociais e expressões emocionais.

Os psicólogos também precisarão ser mais abertos e deliberados com sua comunicação não-verbal – por exemplo, inflexão, tom, gestos e delicadezas – em comparação com o que é típico durante as sessões presenciais. Mais frequentemente, esclarecendo o significado de expressões faciais e linguagem corporal dos pacientes.

Utilize uma abordagem simpática

Comparado com pacientes de serviços presenciais, pacientes em uma sessão de atendimento remoto são geralmente mais sensíveis ao nível de simpatia e ao calor expresso pelo psicólogo.

Profissionais que ajustam seu estilo de comunicação para transmitir uma abordagem amigável e calorosa ajudarão seus pacientes a se sentirem mais confortáveis ​​e à vontade com o ambiente de videoconferência.

Seja claro sobre o propósito, objetivos e limitações do tratamento

A relação terapêutica é reforçada quando, além de desenvolver um vínculo terapêutico, o paciente e o terapeuta são claros sobre os objetivos do tratamento.

Psicólogos podem melhorar a relação terapêutica esclarecendo o propósito da terapia, os objetivos do tratamento e concordando com as tarefas necessárias para alcançar o resultados desejados.

Essas discussões são padrão no início de qualquer intervenção, mas em um serviço de telessaúde é importante que a discussão também se concentre nas expectativas do paciente sobre o tratamento entregue via videoconferência.

Os psicólogos também devem ser abertos com os pacientes sobre os benefícios e as limitações da telessaúde e trabalhar com o paciente para superar quaisquer limitações. Os profissionais são encorajados a verificar regularmente com o paciente como a modalidade de telessaúde está funcionando para eles.

Otimizando a experiência do paciente por meio da adoção de tecnologia

Há uma série de considerações ao configurar a tecnologia que afeta a experiência de ambos: o paciente e o psicólogo.

Essas considerações podem impactar na qualidade e quantidade de informação comunicada e recebida por ambas as partes durante a sessão. Por exemplo, posicionar a câmera apenas na face do cliente limita a capacidade do psicólogo para coletar pistas não-verbais.

É importante que os psicólogos considerem esses fatores ao definir a sessão de teleatendimento para que possam aconselhar o paciente para fazer os ajustes apropriados.

Alguns aspectos encontrados para melhorar a experiência durante o atendimento psicológico remoto inclui o contato adequado estabelecido por:

  • Garantir que o psicólogo e o paciente estejam sentados bem na frente das lentes da câmera;
  • O psicólogo ajuste sua visão do paciente e também o ajude a regular seu enquadramento para que ambos possam ver o rosto um do outro claramente;
  • O psicólogo alterne regularmente seu olhar entre o monitor e as lentes do câmera ao falar ou ouvir;
  • Limitar a tomada de notas escritas quando este desvia o olhar do paciente;
  • Remover todos os acessórios ou obstáculos que visibilidade obscura de expressões faciais;
  • Boa iluminação tanto para o paciente quanto para o psicólogo;
  • Privacidade, sem interrupções, tanto para o cliente quanto para o psicólogo;
  • Manter uma conexão por vídeo durante toda a sessão mesmo durante momentos de desconforto –  é comum que alguns pacientes desejem desligar ou sair do vista da câmera;
  • Utilizar um software desenvolvido especialmente para teleatendimentos que garanta a segurança das informações transmitidas durante as sessões e os dados sensíveis dos pacientes.

Agora que você já sabe mais sobre como fazer o atendimento psicológico remoto, que tal entender um pouco mais sobre como implementar um software sem mudar a rotina do consultório?

Gostou do texto? Não gostou? Comente abaixo!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *