Prescrição eletrônica de medicamentos: 7 vantagens desta prática

Prescrição eletrônica de medicamentos: 7 vantagens desta prática

Diferentes soluções tecnológicas estão presentes na rotina de trabalho dos profissionais da área da saúde. Entre esses recursos, a prescrição eletrônica de medicamentos merece destaque – a ferramenta garante maior agilidade nos atendimentos e contribui para o aumento da segurança de dados sensíveis dos pacientes.

Além disso, a prescrição eletrônica elimina os erros que podem ocorrer na transcrição da receita e evita que todo o receituário precise ser refeito caso alguma informação tenha sido preenchida de forma incorreta.

A ferramenta facilita ainda o dia a dia dos pacientes que podem acessar a prescrição por meio do telefone celular sempre que precisarem confirmar alguma informação ou tirar alguma dúvida sobre o tratamento que estão realizando. 

Quer saber mais sobre o assunto? Nesse post vamos explicar melhor quais são os benefícios da prescrição eletrônica de medicamentos para a sua clínica médica e para os seus pacientes. Vamos lá? Acompanhe!

Prescrição eletrônica de medicamentos: o que é?

Prescrição eletrônica de medicamentos: o que é?

Ainda hoje, alguns profissionais da área da saúde prescrevem medicamentos aos pacientes escrevendo algumas informações em uma folha de papel timbrado. No entanto, esse método tem se mostrado pouco efetivo e vem pouco a pouco sendo substituído pela prescrição eletrônica de medicamentos. 

A prescrição eletrônica tem o mesmo objetivo de uma prescrição de papel, orientar os pacientes e outros profissionais da saúde quanto aos medicamentos e as posologias que devem ser administradas.

O receituário eletrônico é uma das funcionalidades do PEP – Prontuário Eletrônico do Paciente – ferramenta on-line que permite o registro, o armazenamento e o controle digital das informações relativas a saúde dos pacientes.

Quais dados a prescrição eletrônica deve exibir?

Quais dados a prescrição eletrônica deve exibir?

A prescrição eletrônica de medicamentos deve seguir as resoluções aprovadas pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e pelo Ministério da Saúde. O documento deve ser preenchido com os seguintes dados essenciais:

  • Cabeçalho: Se refere a parte superior da prescrição e nele devem constar o nome completo do profissional, o endereço completo do consultório, da clínica médica ou do local onde o médico atua. O cabeçalho também deve exibir o número do registro profissional, a especialidade e o número do cadastro de pessoa física ou jurídica;
  • Superinscrição: é a parte da prescrição eletrônica de medicamentos na qual devem constar o nome, endereço e demais informações pessoais do paciente. Esse espaço também deve conter as informações referentes ao uso dos medicamentos;
  • Inscrição: Deve exibir o nome do medicamento e a concentração;
  • Subscrição: A subscrição deve exibir a dosagem à ser ministrada ao paciente;
  • Adscrição: É a parte da receita que exibe todas as orientações que devem ser seguidas pelo paciente;
  • Data e assinatura.

Além das informações obrigatórias, a prescrição de medicamentos pode exibir outros dados como a idade, peso e a altura do paciente. 

O que diz a legislação

O que diz a legislação

O projeto de lei 3344/12 em tramitação no Congresso Nacional visa padronizar o uso da prescrição eletrônica de medicamentos em todo o país.

Assim que a lei entrar em vigor, todas os consultórios, clínicas médicas e hospitais deverão aderir a prescrição eletrônica, por isso, o ideal é que a sua empresa comece a usar essa ferramenta o quanto antes.

7 benefícios da prescrição eletrônica de medicamentos

7 benefícios da prescrição eletrônica de medicamentos

Segundo um estudo recente da Associação Paulista de Medicina (APM), 80% dos profissionais da área da saúde já utilizam ferramentas tecnológicas capazes de otimizar a sua rotina de trabalho.

Do ponto de vista dos pacientes, basta um olhar mais atento para perceber que as novas tecnologias estão cada vez mais presentes no seu dia a dia. De fato, quem sai de casa sem o aparelho celular à tira colo?

Em um mundo cada vez mais interconectado, a prescrição eletrônica é a forma mais segura de solucionar eventuais problemas com receitas, tanto para os profissionais da saúde como para os pacientes. 

A ferramenta torna o atendimento médico mais simples e prático ao permitir que os médicos escolham a medicação indicada para cada caso de forma mais assertiva, garantindo uma recuperação mais rápida.

Além disso, a prescrição eletrônica é facilmente compreendida pelos pacientes e pelos demais profissionais da saúde. Entre os benefícios dessa ferramenta, podemos citar:

1. Maior agilidade

O PEP conta com um rico banco de dados no qual é possível encontrar todos os medicamentos usados pelos profissionais da saúde. Isso permite que os médicos encontrem rapidamente o fármaco que precisam e o incluam na prescrição.

Além disso, a ferramenta permite que os profissionais da saúde tenham acesso a todas as informações sobre os mais diversos medicamentos, assim como fármacos equivalentes ou substitutos no momento de fazer cada prescrição.

Essa solução tecnológica de automação torna, portanto, o processo de pesquisa e conferência de medicamentos muito mais fácil, o que garante um atendimento mais simples e ágil. 

2. Redução de erros

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a cada ano 138 milhões de pessoas são afetadas por erros médicos e cerca de 2,6 milhões morrem devido a essas falhas. Um grande motivo de preocupação, não é mesmo?

No Brasil, a cada três minutos dois pacientes morrem devido a um erro médico. Entre os erros mais comuns podemos citar os erros no diagnóstico e na prescrição. O uso inadequado de fármacos também merece destaque entre os erros mais comuns.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), apenas os erros relacionados a prescrição de medicamentos custam aos cofres públicos cerca de US$ 42 bilhões. Além disso, estima-se que 39% dos erros médicos associados ao uso incorreto de medicações ocorre no momento da prescrição.

Outros erros comuns são a transcrição incorreta devido à dificuldade de entender a letra do profissional da saúde e a falta de informações quanto à dosagem que deve ser usada pelo paciente.

A prescrição eletrônica de medicamentos é capaz de eliminar todos esses problemas, incluindo os relacionados à legibilidade, uma vez que a ferramenta permite que as informações sejam facilmente lidas e compreendidas tanto pelos pacientes como pelos demais profissionais da saúde. 

3. Elimina rasuras

Um receituário só é aceito caso não exiba rasuras ou erros. Qualquer inconsistência pode impedir que o paciente consiga adquirir a medicação que precisa para iniciar ou para dar continuidade ao seu tratamento médico. 

No entanto, quando o preenchimento é feito a mão é difícil evitar que ocorram pequenas imprecisões na hora de escrever os nomes dos medicamentos, a posologia e as informações do paciente. Isso ocorre principalmente quando os profissionais estão sujeitos a cargas de trabalho muito intensas ou precisam atender a diversos pacientes em um período muito curto de tempo.

A prescrição em formato digital elimina rasuras: caso o profissional se engane basta corrigir e reescrever o que está errado, sem que haja necessidade de refazer toda a receita. Além disso, sistemas de automação podem salvar um modelo de prescrição, permitindo que o médico altere somente os dados relativos ao atendimento que está realizando naquele momento.

4. Permite melhores resultados no tratamento

Antes de fazer a prescrição o profissional deve conferir o histórico médico do paciente e verificar a existência de alergias e os tratamentos médicos recentes. Além disso, é preciso analisar os resultados dos exames anteriores, o que é bastante complicado caso esse procedimento precise ser feito com caneta e papel.

Já ao preencher a prescrição eletrônica de medicamentos é possível verificar com apenas alguns cliques todas essas informações. Essa ferramenta tecnológica garante, portanto, que o médico indique medicamentos e tratamentos com maior assertividade, o que tornará a recuperação mais rápida e contribuirá para o bem-estar dos pacientes.

5. Aumenta a segurança dos pacientes

Como você sabe, os dados relativos à saúde dos pacientes são sigilosos. Por mais que uma clínica médica seja organizada, uma prescrição em papel pode se extraviar e acabar sendo lida por quem não deveria ter acesso a esses dados. 

Além de infringir uma premissa médica, uma falha como essa é capaz de comprometer a imagem da sua instituição médica, afetando a relação de confiança que deve existir entre a sua equipe médica e os seus pacientes. 

Já a prescrição eletrônica de medicamentos integrada ao sistema de prontuário eletrônico do consultório médico só pode ser visualizada por profissionais devidamente autorizados e cadastrados no sistema.

6. Favorece a organização da clínica

A prescrição eletrônica de medicamentos pode ser facilmente acessada pelos profissionais da sua clínica por meio do sistema de prontuário eletrônico e não precisa ser impressa, o que reduz o uso de papel.

Eliminar ou reduzir o uso do papel tornará o hospital mais organizado e também facilitará a rotina dos pacientes, sobretudo daqueles que estão na fase de tratamento e precisam realizar consultas frequentes.

Além disso, ao finalizar o atendimento o profissional pode enviar a prescrição para o e-mail do paciente, o que permitirá que o arquivo seja acessado sempre que necessário. Com essas informações ao alcance das mãos o paciente poderá pesquisar preços dos medicamentos nas farmácias mais próximas da sua casa, comprá-los on-line e recebê-los em casa.

A ferramenta também facilita a marcação de exames laboratoriais e permite que o paciente envie os resultados diretamente ao médico. A ferramenta permite ainda que médico responsável pelo atendimento possa confirmar e recordar diagnósticos anteriores antes de analisar cada exame. 

7. Permite a integração com outros sistemas

O PEP e a prescrição eletrônica de medicamentos funcionam de forma integrada com os demais sistemas usados por um consultório médico, o que torna a rotina de trabalho mais simples e o atendimento médico mais assertivo.

Além disso, os profissionais habilitados podem acessar a prescrição sempre que necessário, sem ter que consultar arquivos em papel e sem enfrentar qualquer problema para ler as informações apresentadas.  Tudo isso facilita a rotina administrativa e fiscal da sua clínica médica, além de agilizar o processo de autorização de exames e consultas pelos convênios e planos de saúde. 

Desafios do sistema de prescrição eletrônica

Desafios do sistema de prescrição eletrônica

Embora ofereça inúmeros benefícios, a prescrição eletrônica de medicamentos oferece alguns desafios para profissionais da área da saúde. Entre eles podemos citar:

1. Perda de dinamismo em situações de emergência

Como você sabe, o atendimento de urgência precisa ser rápido e dinâmico. No entanto, padronizar prescrições pode tornar esse procedimento um tanto quanto burocrático. Embora isso torne as consultas e os exames mais rápidos o impacto nos procedimentos de urgência pode ser negativo.

Para evitar que isso aconteça é preciso criar um protocolo específico para os casos de urgência, estabelecendo prontuários resumidos ou determinando que preenchimento seja feito após o atendimento de emergência.  Aqui, o segredo é adaptar as ferramentas do sistema às necessidades da sua clínica e dos seus pacientes.

2. Repetição de prescrições sem fazer revisões

Depois de algum tempo usando o sistema de prescrição eletrônica de medicamentos, os profissionais da área da saúde passam a dominar a ferramenta. Claro, isso não representa um problema já que ao usar o sistema mais facilmente os profissionais farão atendimentos mais rápidos.

No entanto, ao realizar esse procedimento no “piloto automático” alguns médicos podem não conferir o receituário e acabar entregando ao paciente um documento no qual conste os dados do paciente anterior. Afinal, a prescrição já vem preenchida, necessitando apenas de algumas atualizações.

Por isso, o ideal é sempre conferir o dados da prescrição antes de entregá-la ao paciente. 

Como você pode ver, a prescrição eletrônica de medicamentos torna o atendimento mais ágil e prático ao permitir que os profissionais encontrem rapidamente as informações sobre o fármaco que desejam incluir na receita. Além disso, o médico pode verificar o histórico do paciente e observar a existência de alguma alergia que possa dificultar o tratamento. 

Esse documento eletrônico facilita o dia a dia dos pacientes ao permitir que eles consultem rapidamente a disponibilidade de cada medicamento em farmácias on-line e verifiquem a posologia em caso de dúvidas.

A prescrição eletrônica também evita que os pacientes percam a receita e se vejam obrigados a voltarem ao consultório em busca de uma nova prescrição. Quando isso ocorre, tanto o médico como a sua equipe gastam algum tempo para providenciar uma nova receita.

Outra vantagem da ferramenta é que ela aumenta a segurança dos dados sensíveis dos pacientes, uma vez que só os profissionais devidamente habilitados têm acesso as informações médicas de cada caso clínico.

Além disso, a prescrição eletrônica pode ser integrada facilmente aos demais sistemas utilizados pela clínica ou pelo consultório médico, fazendo com que a rotina de trabalho ganhe mais agilidade. 

Agora que você já sabe quais são as vantagens da prescrição eletrônica de medicamentos, que tal descobrir também o que é um software de prontuário eletrônico e como ele funciona?

Gostou do texto? Não gostou? Comente abaixo!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *